9 de fev de 2012

Codajás: A terra do açaí

O açaí é um fruto consumido há muito tempo pelos indígenas e moradores da região amazônica. Ele exerce um importante papel socioeconômico e cultural, pois a bebida obtida a partir de seus frutos tem consumo regional elevado e sua exportação tem aumentado muito nestes últimos anos.
No Brasil, a sua maior produção fica localizado no município de Codajás situado no centro do estado do Amazonas. O município é conhecido como a “Terra do Açaí”. Todo ano é realizada a festa do açaí que em 2012 no mês de abril será a 25º edição. Na festa acontece o desfile das candidatas Rainha do Açaí e toda a infraestrutura do evento é confeccionada da matéria prima abundante da cidade: o açaí.
O açaí é o fruto bacáceo roxo que dá em cacho na palmeira conhecida como açaizeiro. Do açaizeiro tudo se aproveita: frutos, folhas, raízes, palmito, tronco e cachos frutíferos. As populações ribeirinhas do baixo Amazonas utilizam essa palmeira como fonte de renda e para alimentação de suas famílias praticamente ao longo de todo o ano. Cada palmeira produz de 3 a 4 cachos por ano; cada cacho com 3 a 6 kg de fruto.
O açaí é um alimento muito importante na dieta dos habitantes da Amazônia, onde seu consumo remonta aos tempos pré-colombianos. Hoje em dia é cultivado não só na Região Amazônica, mas em diversos outros estados brasileiros, sendo introduzido no resto do mercado nacional durante os anos 80 e 90 como São Paulo e Rio de Janeiro, sem esquecer que a população codajaense os consume a mais de 100 anos, sendo que o município de Codajás é um dos mais antigos do Amazonas e o maior produtor do fruto.
Pra quem gosta do fruto, visite a Amazônia e você desfrutará da rica culinária amazonense, colhido e feito na hora.












Kcal
Ptn(g)
Lip(g)
Cho(g)
Fib(g)

Ca(mg)
Fe(mg)
262
3,60
2,00
57,40
32,70
118,00
1,09
Retinol (mcg)
Vit.B1(mg)
Vit.B2(mg)
Vit.B3(mg)
Vit. C(mg)

11,80
0,36
0,01
0,40
9,00

Analise Química em 100g de Açaí



*INPA. Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia. Manaus. 1998.

Escrito por: Kadu Martins 



Nenhum comentário:

Postar um comentário